Como Definir a Data da Páscoa

[Resultado de pesquisa-estudo sem maior pretensão, que usou bastante a Wikipedia e aproveitoui informações de outras fontes acumuladas ao longo dos anos.]

Como todos sabemos, a data da Páscoa varia a cada ano: a Páscoa nunca cai no mesmo dia em dois anos seguidos (e, por vezes, chega a cair em um mês diferente). Mas nem todos sabem qual a forma que define a data da Páscoa. O modo de definir essa festa religiosa dos cristãos foi estipulada no ano 325 AD pelo Concílio Ecumênico de Niceia (cidade muito antiga, perto de onde hoje é Istambul e de onde um dia foi Constantinopla). Esse concílio foi convocado pelo Imperador Constantino I, o Grande (272-337 AD), que havia se convertido ao Cristianismo treze anos antes, em 312 AD.

Foi esse mesmo Concílio que, além de definir questões de menor importância como a forma de calcular a data da Páscoa, decidiu outras questões longe de ser secundárias. A mais importante delas foi a definição de que passaria a ser dogma da Igreja Cristã a afirmação de que Jesus não só foi plenamente homem, enquanto viveu aqui na Terra, mas também foi, continua a ser, e será, para todo sempre, plenamente Deus. A partir dessa decisão, quem negasse que Jesus era plenamente Deus (ou que negasse que ele também havia sido plenamente homem em sua vida terrena), seria condenado como herege. Começou aí a se definir a chamada Ortodoxia Cristã.

Mas voltemos à data da Páscoa.

A definição da data em que a Páscoa deveria ser celebrada foi feita com base no conhecimento então presumido acerca de como as coisas funcionam na natureza, como, por exemplo, quando se iniciam e terminam as diferentes Estações do Ano, em especial as coisas que decorrem da relação da Terra e da Lua com o Sol, como, por exemplo, a duração dos dias e das noites ao longo do ano, as datas das Luas Cheias, etc.

Como sabemos, até a época de Copérnico (1473-1543 [eu nasci exatamente 400 anos depois da morte de Copérnico]), personagem que revolucionou a Astronomia, colocando as coisas de ponta-cabeça em relação ao que se presumia que fossem. Antes de Copérnico acreditava-se que a Terra ficava fixa no centro do sistema planetário e que os planetas e os demais corpos celestes, inclusive o Sol, giravam ao redor da Terra, como a Lua o fazia – exatamente como a gente percebe. A tese copernicana vai contra essa nossa observação sensorial (nossa percepção): ela afirma que é a Terra que gira ao redor do Sol (mas não nega que a Lua gire ao redor da Terra).

Mas, em 325 AD, na época do Concílio de Nicéia, faltavam ainda quase 1.150 anos para Copérnico nascer – mais ainda para a criação de sua teoria (que, do ponto de vista puramente observacional, convenhamos é bastante improvável).

O evento mais importante na fórmula que define a data da Páscoa é chamado de Equinócio.

No Equinócio “a trajetória do Sol” (chamada de Elíptica) cruza a projeção no espaço celestial da linha do Equador terrestre.  Por isso, no Equinócio, o dia e a noite têm exatamente a mesma duração: 12 horas. É daí que vem o nome do fenômeno: aequus (igual) e nox (noite).

(Notem que estou falando em “trajetória do Sol” no linguajar que a gente usa no dia-a-dia e que, para o pessoal do Concílio de Nicéia, mais de mil anos antes de Copérnico nascer, era quase como ciência revelada: falo em trajetória do Sol, como se fosse o Sol que “trajetasse”, ao redor da Terra ok? Estamos entendidos?).

Na verdade, há dois Equinócios por ano, porque em um ano a trajetória do Sol cruza a projeção no espaço celestial da linha do Equador terrestre duas vezes: uma vez quando o Sol está “trajetando” na direção Norte-Sul, a outra quando está fazendo isso na direção inversa, Sul-Norte. Esses dois eventos são chamados, respectivamente, de Equinócio de Outono e Equinócio de Primavera.

Esses dois Equinócios marcam o início de duas Estações do Ano, respectivamente, o do Outono e o da Primavera. (De igual forma, há dois Solstícios, que marcam o início das outras duas estações, a saber, o do Inverno e o do Verão – mas vou ignorá-los aqui neste artiguete).

É preciso não esquecer que as Estações do Ano ocorrem em períodos opostos no Hemisfério Norte e no Hemisfério Sul. Quando, no Hemisfério Norte, começa a Primavera, começa o Outono no Hemisfério Sul (e vice-versa); quando lá começa o Verão, aqui começa o Inverno (e vice-versa). Quase todo mundo sabe disso, especialmente hoje, neste mundo globalizado, mas nem sempre foi assim, e mesmo nós, hoje, de vez em quando esquecemos.

EQUINÓCIO DE OUTONO

O Equinócio de Outono (também chamado de Ponto Libra) é o momento exato  em que a trajetória do Sol (a Elíptica) cruza a projeção no espaço celestial da linha do Equador terrestre na direção Norte-Sul.

Aqui no Hemisfério Sul, onde se encontra o Brasil, o Equinócio de Outono ocorre em 20 ou 21 de março. Está para ocorrer, portanto, dentro de poucos dias, visto que escrevo em 15.3.2020. Já no Hemisfério Norte, a situação se inverte e o Equinócio de Outono ocorre no dia 22 ou 23 de setembro.

EQUINÓCIO DE PRIMAVERA

O Equinócio de Primavera (também chamado de Ponto Vernal ou Equinócio Vernal) é o momento exato em que a trajetória do Sol (a Elíptica) cruza a projeção no espaço celestial da linha do Equador terrestre na direção Sul-Norte.

Aqui no Hemisfério Sul, onde se encontra o Brasil, o Equinócio de Primavera ocorre no dia 22 ou 23 de setembro. Estamos, portanto, a quase seis meses do início da Primavera. Já no Hemisfério Norte, a situação se inverte e o Equinócio de Primavera ocorre em 20 ou 21 de março (quando, aqui no Brasil, teremos o Equinócio de Outono).

O CÁLCULO DA DATA DA PÁSCOA

A data da Páscoa foi definida como sendo o primeiro Domingo após a primeira Lua Cheia que se verificar a partir do Equinócio de Primavera ou do chamado Equinócio Vernal (no Hemisfério Norte).

É isso. Não nos esqueçamos de que Nicéia estava no Hemisfério Norte e que, em 325 AD, o pessoal não tinha nem ideia de que havia um Hemisfério Sul. Aqui, no Hemisfério Sul, a data da Páscoa é o primeiro Domingo após a primeira Lua Cheia que se verificar a partir do Equinócio de Outono.

A Sexta-Feira da Paixão é aquela que antecede o Domingo de Páscoa. A Terça-Feira de Carnaval ocorre 47 dias antes da Páscoa. Assim, para chegar à Terça-feira de Carnaval, basta subtrair 47 dias do Domingo de Páscoa. A chamada Quarta-Feira de Cinzas é o dia seguinte à Terça-Feira de Carnaval. Entre a Quarta-Feira de Cinzas e o Domingo de Ramos (que é o Domingo que antecede ao Domingo de Páscoa), temos o período de 40 dias chamado de Quaresma (em princípio, quarenta dias). Há seis Domingos na Quaresma, denominados, pouco criativamente, de I, II, III, IV, V e VI. O Domingo VI é o Domingo de Ramos, que encerra a Quaresma. A semana que antecede a Páscoa é chamada de Semana Santa. Para calcular o dia de Corpus Christi, que é sempre em uma Quinta-Feira, soma-se 60 dias ao Domingo de Páscoa.

Neste ano bissexto de 2020, o Equinócio de Outono cai, aqui no Hemisfério Sul, no dia 20 de Março. Nesse dia começa o Outono para nós (e a Primavera para quem mora no Hemisfério Norte). A primeira Lua Cheia depois dessa data cai no dia 7 de Abril, uma Terça-Feira. O domingo seguinte é o dia 12 de Abril, que é, como manda a tradição, o Domingo de Páscoa.

Quod erat demonstrandum.

Em Salto, 16 de Março de 2020.



Categories: Data da Páscoa

2 replies

  1. Querido professor, agradeço a Deus por sua vida … Saudade das suas aulas

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: